Entenda agora a Tabela de Fretes! 🚛

Tabela de Fretes Mínimo da ANTT tem gerado muita discussão, porém, a maioria das empresas que contratam fretes ainda têm dúvidas sobre como ela funciona.

Por isso, decidimos te recomendar a leitura do artigo que fizemos para explicar a política do frete mínimo.

Você vai entender como a Tabela funciona e o que ela tem a ver com a cobrança do CIOT.

Clique aqui para ler agora!
COMO MONTAR SUA TABELA?

Se você trabalha com transporte de cargas no Brasil, precisa montar sua própria Tabela de Fretes para facilitar a contratação de seus serviços e negociar com os embarcadores.

Entenda o que é preciso para montar uma Tabela de Fretes matadora para sua transportadora lendo nossas dicas no blog!

Leia Agora >
Aproveite nosso modelo de Tabela de Fretes para criar uma Tabela simples e funcional para sua transportadora!

Basta preencher com os dados do seu serviço e começar a usar para calcular seus fretes de forma rápida e precisa. O download é gratuito!

Baixe Agora!
CÁLCULO AUTOMÁTICO
Você pode ter um sistema de gestão que calcula o valor do frete automaticamente por você.

Faça orçamentos de fretes e preencha o valor dos CTEs de maneira automática usando os recursos do Hivecloud TMS.

 

Saiba Mais sobre o TMS!
Sefaz Bloqueia a Consulta e a Baixa de XML

Sefaz Bloqueia a Consulta e a Baixa de XML

Sefaz Bloqueia a Consulta e a Baixa de XML.

Por meio do AJUSTE SINIEF 16/18 e AJUSTE SINIEF 17/18, a SEFAZ bloqueou o download dos arquivos XML, tanto da NFe, quanto do CTe.

Com isto todos os sites que buscavam os XMLs na Sefaz sem certificado digital não mais conseguiram buscar.

Esta proibição, vem de encontro com a preservação dos dados fiscais das empresas e dos empresários. Uma vez que sem esta validação, qualquer pessoa, que tivesse a chave de acesso de uma nota, poderia fazer o download da mesma, desta forma, colocando em exposição tais informações.

Profissionais contábeis, indicados pela empresa, conseguirão fazer o processo normalmente (usando o certificado).

Porque consultar um XML?

Muitas vezes, o XML é perdido, por algum motivo, seja ele por infecção de vírus no computador, seja por formatação sem backup, ou algum outro caso, não importa.
Ai a empresa precisa buscar o XML até porque, a recomendação é que este arquivo seja guardado por no mínimo 5(cinco) anos.

E agora, se eu perder um XML?

O portal Gosocket dispõe de uma ferramenta para busca de notas fiscais, através de seu manifestador é possível buscar na Sefaz Nacional, e trazer para dentro do programa todas as notas que os fornecedores forem emitindo. No período legal de 90 dias, por isso mantenha logo toda a sua base de notas atualizada.

Desta forma, não será necessário fazer consultas em sites, para efetuar o download, pois o sistema fará de forma rápida e completa.

Fale com a Ativasoft que daremos todos os detalhes e lhe ajudamos a usar o portal. Via nosso chat on-line clique aqui ou mande um email para suporte@ativasoft.com.br.

Inovações da versão NF-e 4.00 – Gosocket

Inovações da versão NF-e 4.00 – Gosocket

A versão NF-e 4.00 foi disponibilizada de acordo com exigências da legislação da nota fiscal eletrônica, que deveria ser obrigatória a partir de julho/2018 e foi postergada para agosto/2018. Portanto não são alterações exclusivas do produto da Gosocket.

Caso o cliente queira, ainda pode continuar emitindo notas na versão 3.10, somente selecionando no momento de emitir nova nota, até a obrigatoriedade.

O que teve de alterações:

  1. Foi excluído da aba dados da nota, a forma de pagamento (a vista, a prazo, outros).
  2. Foi incluída a nova aba Pagamentos, que é obrigatória, não importa se é nota de venda ou não.
  3. Foi ampliado os tipos de transporte.
  4. Foram incluídas novas críticas.

Na aba Pagamentos

Clicar na parte de baixo, incluir os meios de pagamento existentes na nota.

Selecionar o meio de pagamento.

  • Outros – para o pagamento normal, parcelado ou a vista.
  • Sem Pagamento – se for retorno, remessa, devolução ou outra sem pagamento.
  • Ou outro ser necessário.

Informar a forma de pagamento (opcional). Informar obrigatoriamente o valor do pagamento, que tem que ser igual ao total da nota ou zeros se a ipção for sem pagamento.

O grupo de cartões somente informar se for pagamento com cartão.

Na aba Transporte.

  • Se tornou obrigatório informar a modalidade do frete.
  • Se não tiver transporte informa 9 – sem ocorrência de frete.
  • Qualquer outro, obriga a informar dados do transportador e volumes.

Também outras informações constam na aba notícias. Inclusive as instruções sobre a inclusão da logo da empresa na DANFE.

 

 

2018 chega com novas mudanças nas notas fiscais

2018 chega com novas mudanças nas notas fiscais

Alterações em 1º de janeiro afetam fabricantes, distribuidores, varejistas e atacadistas

O ano de 2018 chega com várias mudanças no preenchimento e emissão das Notas Fiscais. A medida afetará fabricantes, distribuidores, varejistas e atacadistas. Por isso, os profissionais da contabilidade devem ficar atentos a essas novas obrigações na rotina de atendimento às empresas. Além da implementação do e-Social e a EFD-Reinf (Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais).

Outras validações

Agora os documentos fiscais, para serem validados com as Secretarias da Fazenda (SEFAZ), têm que trazer os campos EAN (cEAN) e EAN Tributado (cEANTrib) preenchidos. Será preciso também preencher algumas informações no GTIN (Global Trade Item Number), que são os números que formam o código de barras de um item.

“Esse código é a identificação global para a comercialização de produtos. Seu preenchimento é obrigatório desde 2011, mas o que muda agora é que será preciso depender deles para validar uma Nota Fiscal. A SEFAZ irá rejeitar NF-e e NFC-e não cadastradas ou que não contenham as informações conforme a exigência”, afirma o contador e conselheiro Alexandre Andrade, do Conselho Regional de Contabilidade do Rio de Janeiro (CRCRJ).

Datas de obrigatoriedade do EAN

A obrigatoriedade tem data para começar: 1º de janeiro. A alteração afeta desde grandes indústrias até pequenos empresários de diversos setores. Empresas fabricantes de brinquedos e jogos recreativos serão as primeiras a serem afetadas pela exigência.

Veja abaixo o cronograma com os setores empresariais afetados pelas mudanças:

– 1º de janeiro de 2018 – Fabricantes de brinquedos e jogos recreativos;

– 1º de fevereiro de 2018 – Processamento de fumo e fabricantes de cigarros;

– 1º de março de 2018 – Fabricantes de produtos farmacoquímicos e farmacêuticos;

– 1º de abril de 2018 – Fabricantes de aparelhos elétricos e eletrônicos, diversos itens de informática e telecomunicações e equipamentos para fins diversos;

– 1º de maio de 2018 – Fabricantes de alimentos e bebidas diversos;

– 1º de junho de 2018 – Floricultura, horticultura, pesca, extração, beneficiamento de pedras diversas;

– 1º de julho de 2018 – Fabricantes têxtil e de vestuário;

– 1º de agosto de 2018 – Fabricantes de itens em madeira, celulose, couro, químicos e outros;

– 1º de setembro de 2018 – Fabricantes de artefatos de borracha, plástico, vidro, metais, ferro, entre outros;

– 1º de outubro de 2018 – Setores de transporte, armazenamento de grãos, serviços de hospedagem, audiovisual, restaurantes, telefonia, internet, entre outros;

– 1º de novembro de 2018 – Outras atividades financeiras;

– 1º de dezembro de 2018 – Atividades variadas não citadas anteriormente.

Novo layout da Nota

É bom lembrar que o layout das Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) já havia sido atualizado em 2017. Em 2 de outubro passou a ser obrigatório, para o ambiente de produção, o modelo 4.0 do documento. Em julho, a nota já havia sido implementada para ambientes de homologação; e agora todos têm até 2 de julhol de 2018 para adequar suas emissões, quando o antigo modelo 3.10 – que entrou em vigor em 2015 – será desativado.

Com a publicação da Nota Técnica 2016.002 – 1.41 o prazo previsto para implementação das mudanças no layout da nota fiscal eletrônica foi prorrogado para as seguintes datas:

  • Ambiente de homologação: 20/11/2017
  • Ambiente de produção: 04/12/2017
  • Desativação da versão anterior (3.10): 02/07/2018

 

Como aumentar os lucros com um TMS

Como aumentar os lucros com um TMS

Os dias de controles manuais na logística de uma transportadora são agora considerados coisas do passado. Se a sua empresa não aproveita dos benefícios de um software TMS (Transportation Management Software) para aumentar os lucros, provavelmente ela está ficando para trás no mercado.

O que é

O TMS é um software de gerenciamento completo para transportadoras, que permite ao usuário acompanhar e otimizar todas as necessidades referentes à gestão da empresa. Ele assegura qualidade, confiabilidade e acessibilidade para os processos logísticos.

Como?

O TMS permite aumentar o lucro de uma transportadora? Quer entender mais sobre como esse sistema pode beneficiar a gestão da sua empresa?

Acompanhe conosco!

Reduzindo as despesas de frete

A gestão de transportes acaba se tornando mais complexa, na medida em que uma transportadora se desenvolve e adquire mais clientes. Assim, um cálculo errado pode representar perdas inestimáveis para a sua transportadora!

Foi por isso que sistemas como o TMS foram introduzidos para melhorar a eficiência geral de sua transportadora. Com ele esse cálculo passa a ser automático, já que basta cadastrar os valores e enviar para o seu cliente.

Dessa forma, o gerenciamento de pedidos passa a ser mais rápido e sem complicações e os acordos de pagamento mais inteligentes!

Analisando os seus processos internos

O software TMS é projetado para gerenciar todas as etapas de uma operação de transporte de cargas e, consequentemente, ajudar na estratégia utilizada para aumentar o lucro de uma transportadora. Ele proporciona um ótimo ROI (retorno sobre o investimento), o que significa que o potencial da solução supera os custos iniciais.

O programa faz isso possibilitando uma grande redução de custos nos processos internos, o que pode também impulsionar as vendas na transportadora.

O TMS ajuda no planejamento, na execução, no controle das atividades e no monitoramento de todos os processos na transportadora, desde a consolidação de carga, passando pela emissão de documentos fiscais 100% online, até as entregas e coletas.

Dessa forma, se algum ponto estiver causando lentidão no processo como um todo, os chamados “gargalos” poderão ser facilmente identificados e eliminados.

Preparando a empresa para as exigências do mercado

Transmitir credibilidade aos seus clientes para que eles tenham confiança de que seus fretes serão executados da melhor forma possível é fundamental para quem quer aumentar os lucros com o transporte de cargas. O TMS pode ser integrado com o EDI. Isso deixa a sua transportadora preparada para atender às exigências de grandes embarcadores, principalmente empresas maiores que esperam mais agilidade no processo.

Os recursos deste software notificam os clientes quando as suas entregas estiverem chegando e você mesmo pode fazer o login e conferir onde a remessa está a qualquer momento. Assim, possíveis equívocos são evitados e você sabe que os erros na emissão acabam travando o lucro de uma transportadora, não é mesmo?

Resolvendo problemas rapidamente

Uma taxa de lucro favorável depende muito de como a gestão consegue resolver os problemas que surgem com agilidade e eficiência. Você já parou para pensar quantos clientes você já deve ter perdido simplesmente por demorar a resolver o problema dele, por não conseguir identificar gargalos na operação da sua transportadora?

Recursos

Os recursos de relatórios e análises oferecem visibilidade às empresas sobre quais aspectos específicos de sua operação estão tendo influência no seu desempenho. Por exemplo: Um TMS pode dar a visibilidade do que resultou em entregas atrasadas e em reclamações, afetando o lucro de uma transportadora, enquanto outros pontos não foram responsáveis por problemas de entrega.

Como?

Você pode usar esse conhecimento para escolher o operador e rotas ideais, e para ver onde os problemas aparecem e decidir como abordá-los. Isso permite que você ofereça um melhor atendimento aos seus clientes e, melhor ainda, consiga resolver suas possíveis reclamações o quanto antes.

Analisando o seu desempenho periodicamente

Os usuários do sistema TMS podem receber respostas instantâneas sobre como está o desempenho dos processos na transportadora. Ele facilita a geração de dados e relatórios que fornecem aos gestores visibilidade de suas operações e gastos. Isso abre a porta para melhorias a serem feitas.

Ganho

Com a análise desses dados, é possível, por exemplo, agilizar as entregas. No mundo de hoje, entregar mais rápido e antes da concorrência é uma grande vantagem competitiva para o lucro de uma transportadora.

Resumindo

Tenha em mente a concorrência do mercado logístico. Viu como um TMS é uma ferramenta que ajuda você a implantar melhorias constantes nos seus processos?

by Hivecloud.

20 dicas de Como Vender Mais e Melhor

20 dicas de Como Vender Mais e Melhor

O esforço diário para realizar novas vendas e captar novos clientes, não é pouco. Por isso receber algumas dicas de como vender mais e melhor, pode ajudar você a refletir e entender se está nos passos certos. As vendas dependem de muitos fatores, além de uma concorrência cada vez mais acirrada.

Hoje o cliente não exige mais apenas um produto de ótima qualidade, mas sim um serviço completo e de qualidade. Veja que o vendedor preciso oferecer um serviço pré venda e ter uma equipe alinhada para o pós venda. Tão importante como vender é o serviço prestado após o cliente estar com sua empresa, será o diferencial importante para as próximas vendas.

Separamos aqui 20 dicas que diversos escritores colocam como importantes para um vendedor de sucesso.

 

1- Sorria

Sorria de forma que transmita ao cliente o prazer que sente em sua companhia. Isso vende e faz amigos.

 

2 – Saiba o nome do seu cliente

Identifique-se ao primeiro contato. Todos Gostam de saber o nome da pessoa com quem estão falando.

 

3 – Atenda como gostaria de ser atendido

Atenda as pessoas da forma como você gostaria de ser atendido. Sua venda começa antes do diálogo com o cliente. O primeiro contato, o olhar e postura de “boas vindas” são decisivos para cativar o cliente.

 

4 – Planejar a venda é fundamental

Planejar a forma como irá atender o cliente, como irá apresentar seus produtos, conduzir a negociação e partir para o fechamento, é uma forma de ganhar confiança transmite mais credibilidade!

 

5 – Nunca diga “é só isso?”

Jamais diga para o cliente “é só isso?”. Você pode estar acabando com sua chance de vender mais.

 

6 – Faça perguntas : Abertas e Fechadas

Faça perguntas ao seu cliente. Ajude-o a dizer o que ele realmente quer. Em apenas 40% dos casos, os consumidores sabem exatamente o que desejam comprar.

Perguntas Abertas

Para que ele exponha de forma mais livre o que ele quer, utilize perguntas abertas. Esse tipo de técnica deixa o cliente falar livremente, pois a resposta não é objetiva. Geralmente são utilizadas logo no início da conversa e, com essas informações, você programa sua apresentação justamente nos pontos destacados por ele.

Perguntas Fechadas

Agora que você já conversou bastante com seu cliente e entendeu o que ele realmente quer comprar, precisamos utilizar as perguntas fechadas, ou seja, perguntas em que as respostas são “sim” ou “não”.

 

7 – Vendedor é aquele que faz o cliente vender

O bom vendedor é aquele que vende. O ótimo vendedor é aquele que faz o cliente vender, trazendo ou indicando amigos para comprarem com ele.

 

8 – Tenha o foco na Solução e não no dinheiro

Tenha como objetivo atender plenamente as NECESSIDADES do seu cliente e deixá-lo o mais satisfeito possível com a compra. Além de ser correto comercialmente, essa postura é extremamente ética e mostra que você é um profissional comprometido com a satisfação do seu cliente.

 

9 – Trabalhe em equipe

Trabalhar em equipe torna o ambiente mais saudável e produtivo.

 

10 – Postura

A postura física do vendedor na loja é muito importante, nunca fique encostado em paredes, prateleiras e balcões. Isso passa uma ideia de que você não está com vontade de trabalhar.

 

11 – Mantenha-se atualizado

Se outro colega está vendendo melhor que você, procure observar detalhadamente com o ele trabalha. Aí está a chance de melhorar seu desempenho de vendas.

Leia muito, tudo! Livros, revistas, blogs e revistas digitais da sua área. Se você estiver bem informado sobre seu segmento vai transmitir segurança e credibilidade ao negociar com o seu cliente.

 

12 – Atendimento de Excelência

Esteja sempre à disposição do cliente, para atendê-lo e acompanhá-lo até o momento de ele sair da loja. Mas cuidado para não exagerar e acabar incomodando o consumidor. Um bom atendimento começa com um bom ambiente de trabalho. Um clima positivo em sua loja envolverá positivamente o seu cliente.

Tenha sempre em mente: “não posso apenas vender. Tenho que conquistar esse cliente para que ele volte e indique-me para seus amigos”. Bom atendimento. Esse é o diferencial que mais cativa os consumidores.

 

13 – Não tenha medo de clientes difíceis

Não tenha medo de clientes difíceis. Com profissionalismo e simpatia, você tem tudo para atendê-lo da melhor maneira.

 

14 – Seja Criativo

Criatividade é um dos grandes predicados que todos nós temos. Porém, só brota quando estamos motivados com o que fazemos.

 

15 – Respeite e gere Confiança

Respeito e confiança. Para seu cliente isto é tão importante quanto preço e qualidade.

 

16 – Crie um ambiente de Geração de Valor

Faça com que seu cliente sinta que está ali para investir no melhor produto e serviço do mercado, o seu, e não apenas gastando dinheiro.

 

17 – Cumpra sempre o que foi acordado

Nunca esqueça de cumprir aquilo que ficou estabelecido junto com o cliente.

 

18 – Ofereça outros benefícios

Boa vontade é essencial. Se não tiver o produto que seu cliente busca, tente localizá-lo em outra loja. Além do preço, venda sempre para o cliente os outros benefícios que seu produto possui.

 

19 – Parta para o Fechamento e Analise

Vendendo ou não, depois do atendimento, analise a sua conversa com o cliente. Examine o que deu certo e o que deu errado. Você estará melhor preparado para sua próxima venda.

Achar que apenas preço baixo é importante só serve para desvalorizar a função de vendedor.

 

20 – Valorize-se, você é importante !

Valorizar sua profissão é ter orgulho de ser vendedor, ter orgulho de atender e servir seus clientes e conduzir a negociação com ética e sabedoria, mantendo seu foco na plena satisfação do cliente.

 

Conclusão

Vender é uma arte, certo? Talvez no início sim, mas você deve se dedicar, estudar, auto conhecer e buscar evoluir. Sim, somente com esforço e paixão você alcançará seus objetivos.

Agora uma dica, se for vender seus produtos e esteja precisando emitir suas notas fiscais, temos um sistema online muito seguro e prático. Conheça o emissor de nota fiscal eletrônica e otimize suas vendas.

Em operações interestaduais e de exportação o DANFE deve acompanhar a mercadoria?

Em operações interestaduais e de exportação o DANFE deve acompanhar a mercadoria?

Sim, o DANFE deve acompanhar a mercadoria. A NF-e substitui a Nota Fiscal em papel modelos 1, 1A ou 4 e o DANFE (representação gráfica simplificada da NF-e) é aceito no trânsito interestadual da mercadoria e no trânsito até o embarque da mercadoria nas operações de exportação.

A Receita Federal, os demais Estados da Federação e o Distrito Federal, independentemente de determinada Unidade da Federação, aceitam o modelo como hábil para acompanhar o trânsito e o recebimento de mercadorias em qualquer parte do território nacional.

 

A Cláusula oitava do Ajuste SINIEF 07/05, determina em seu parágrafo primeiro:

“Cláusula oitava Concedida a Autorização de Uso da NF-e, a administração tributária da unidade federada do emitente deverá transmitir a NF-e para a Receita Federal do Brasil.
§ 1º A administração tributária da unidade federada do emitente também deverá transmitir a NF-e para:
I – a unidade federada de destino das mercadorias, no caso de operação interestadual;
II – a unidade federada onde deva se processar o embarque de mercadoria na saída para o exterior;
III – a unidade federada de desembaraço aduaneiro, tratando-se de operação de importação de mercadoria ou bem do exterior;
IV – a Superintendência da Zona Franca de Manaus – SUFRAMA, quando a NF-e tiver como destinatário pessoa localizada nas áreas incentivadas.
(…)”

 

No caso de vendas para pessoa física, qual documento será entregue – o DANFE?

A Nota Fiscal Eletrônica substitui, atualmente, a Nota Fiscal de circulação de mercadorias Modelo 1, 1A ou 4, normalmente emitida em operações entre empresas. É possível que as empresas emitam a Nota Fiscal Modelo 1, 1A ou 4 também a consumidores pessoas físicas em determinadas situações.

Em quaisquer dos casos, a Nota Fiscal modelo 1, 1A ou 4 poderá ser substituída pela Nota Fiscal Eletrônica, sendo que o consumidor final, pessoa física, receberá o DANFE como representação do documento fiscal e poderá consultar a sua existência e validade pela Internet.

 

Como confirmar a entrega da mercadoria com a NF-e?

Não há nenhuma alteração com relação aos procedimentos comerciais existentes com a Nota Fiscal em papel. No Layout do DANFE existe a previsão de um espaço destinado à confirmação da entrega da mercadoria. Este canhoto poderá ser destacado e entregue ao remetente.

Futuramente, as unidades federadas envolvidas na operação ou prestação poderão, mediante protocolo ICMS, exigir informações do destinatário com relação ao Recebimento das mercadorias e serviços constantes da NF-e, a saber:

  • I – confirmação do recebimento da mercadoria documentada por NF-e;
  • II – Confirmação de recebimento da NF-e, nos casos em que não houver mercadoria documentada;
  • III – Declaração do não recebimento da mercadoria documentada por NF-e;
  • IV – Declaração de devolução total ou parcial da mercadoria documentada por NF-e

A operação atual da manifestação do destinatário, detalhado aqui, é a operação online e legal usado para a confirmação.

 


 

Há obrigatoriedade da guarda do DANFE (emitente e destinatário)?

Há obrigatoriedade da guarda do DANFE (emitente e destinatário)?

A guarda do DANFE fica restrita apenas a algumas empresas, detalharemos abaixo essa e outras dúvidas.

A regra geral é que o emitente e o destinatário deverão manter em arquivo digital as NF-e pelo prazo estabelecido na legislação tributária. Os mesmos deverão ser ser apresentados à administração tributária, quando solicitado. Assim, o emitente e o destinatário deverão armazenar apenas o arquivo digital.

 

No caso da empresa destinatária das mercadorias e da NF-e, ela não precisará, portanto, manter a guarda do DANFE. Contudo está obrigada a receber a NF-e, devendo guardar apenas o arquivo digital recebido.

Caso o destinatário não seja contribuinte credenciado para a emissão de NF-e, o destinatário poderá, alternativamente, manter em arquivo o DANFE relativo a NF-e. Da mesma maneira, deverá manter pelo prazo decadencial estabelecido pela legislação em substituição ao arquivo eletrônico da NF-e.

Reforçamos que o destinatário sempre deverá verificar a validade da assinatura digital e a autenticidade do arquivo digital da NF-e.

Importante observar que pelo §6º do artigo 9º da Portaria CAT 104/07, o emitente da NF-e deverá, obrigatoriamente, disponibilizar download ou encaminhar o arquivo eletrônico da NF-e, e seu respectivo protocolo de autorização ao destinatário.

 

Se houver o extravio do DANFE durante o transporte da mercadoria, como proceder?

O emitente deverá realizar a reimpressão do DANFE e encaminhá-lo ao transportador ou ao destinatário, caso a mercadoria já tenha sido entregue. O trânsito da mercadoria documentado por uma NF-e sempre deverá estar acompanhado do DANFE correspondente.

A reimpressão poderá ser dispensada se o destinatário já tiver recebido a mercadoria e não mantiver o DANFE em substituição ao arquivo digital da NF-e.

 

As empresas que ainda não emitem NF-e poderão escriturar o DANFE sem a consulta da NF-e?

O DANFE é mera representação gráfica da NF-e e não se confunde com a NF-e. Aos contribuintes que não estão preparados para recepcionar a NF-e é facultado proceder a escrituração da NF-e com base nas informações contidas no DANFE e manter o DANFE em arquivo em substituição à NF-e.

Contudo, a obrigação de verificar a validade da assinatura digital, a autenticidade da NF-e e a existência de Autorização de uso da NF-e se aplica a todos os destinatários, sejam eles credenciados a emitir a NF-e ou não, tratando-se de uma segurança adicional ao destinatário.

Fonte: https://www.fazenda.sp.gov.br/nfe/perguntas_frequentes/respostas_V.asp

 

Resumo da Guarda da DANFE

Emissor de qualquer Nota Fiscal: Deverá manter o XML da NF-e pelo prazo legal

Receptor de qualquer Nota Fiscal: Deverá manter o XML da NF-e pelo prazo legal

Exceção: empresas que apenas recebem nota fiscal e não emitem NF-e: Podem guardar DANFE impresso pelo prazo legal

6 dicas de como reduzir a inadimplência na sua empresa

6 dicas de como reduzir a inadimplência na sua empresa

Como reduzir a inadimplência na sua empresa em momentos que nem o país vai bem? Isso é um desafio diário mas que aos poucos estamos aprendendo e evoluindo. O país já está tentando se colocar no trilho e com isso nossa economia começa a responder.

Mas afinal onde tudo isso impacta na sua empresa? Sabemos que em tempos de crise é natural que as vendas caiam e os empresários sofram para ir busca de novos negócios. Nessa necessidade de fechar novos contratos, muitas vezes os gestores deixam de lado os protocolos e partem para a venda direta, ignorando eventuais alertas de que o cliente em questão pode apresentar.

Reduzir a inadimplência não é uma ciência exata e mesmo tomando todos os cuidados necessários nada garante que o seu cliente, na data programada para o pagamento, vai conseguir honrar as contas. Contudo, é possível minimizar as “surpresas” e diminuir o impacto que essas contas atrasadas tem no seu caixa.

eu sei que estava aqui meu din din

 

Dica 1 – Prefira receber à vista

Essa dica pode parecer óbvia mas muitas empresas não fazem nenhum esforço para receber à vista dos seus clientes. Isso acontece, essencialmente, por duas razões. A primeira delas é a falta de planejamento adequado, pois muitas vezes a companhia sequer tem a noção exata de quanto vai receber no mês seguinte.

Já a segunda é a seguinte: em meses em que o fluxo de caixa está um pouco mais apertado, pode valer a pena optar pelo recebimento à vista. Contudo, do outro lado, seu cliente vai exigir alguma contrapartida para que ele possa quitar as dívidas antecipadamente. Oferecer melhores condições para quem tem dinheiro à vista para pagar é uma das maneiras de fazer o caixa girar sem comprometê-lo no final do mês.

 

Dica 2 – Seja flexível quanto à data de vencimento

Para quem vende para pessoas físicas, insistir com datas de vencimento anteriores ao quinto dia útil, por exemplo, é praticamente certeza de que em algum momento você ficará na mão com os seus pagamentos. Isso porque imprevistos acontecem e, no momento que o salário do seu cliente atrasar, consequentemente o seu boleto bancário será colocado em segundo plano.

Por isso, não insista em forçar seus clientes a aceitarem pagamentos em datas pouco confortáveis a eles. Se fizer isso, em um primeiro momento você acreditará que saiu como vencedor da negociação, porém na sequência é bem provável que essa venda comprometa o seu fluxo de caixa e vá parar na lista de inadimplência.

 

Dica 3 – Pesquise o perfil dos seus clientes

O perfil dos seus clientes vai lhe ajudar a definir a  melhor forma de negociação. Saber como está o ambiente atual e como seus clientes estão se comportando, poderá identificar se o mercado está em um bom momento ou não.

Você vende para empresas ou para pessoas físicas? Seus clientes foram afetados pela crise?

Se você ficar na dúvida, cheque órgãos de proteção ao crédito ou exija mais garantias antes de fechar negócio. Se por um lado o seu departamento de vendas tem metas a cumprir, por outro de nada adianta fechar muitos negócios se não há perspectiva para receber. Nesse caso, a qualidade é muito melhor e mais importante do que a quantidade.

 

Dica 4 – Esteja aberto a renegociar dívidas

Ainda acreditamos e vemos em clientes que o atraso de pagamentos não é voluntario, na maioria das vezes. O seu cliente não tem a intenção de ficar em atraso com seus pagamentos, mas acontece por alguma desconformidade pontual. Tente entender qual o motivo levou o seu cliente a atrasar, e a partir deste ponto trazer soluções.

Abra novos canais de negociação, trabalhando valores, juros e datas de quitação. No entanto, seja proativo e não espere que o cliente busque a negociação primeiro. Identifique o perfil do seu cliente e vá atrás dele oferecendo melhores condições de pagamento. Desta maneira suas chances de receber o saldo é maior.

 

Dica 5 –  Use sistemas automatizados

Há vários motivos pelos quais você deveria adotar um sistema de gestão e controle de entrada e saída de dinheiro. Além de agilizar muito mais os processos, sistemas como esses permitem que você possa fazer previsões de recebimento mais eficientes e, com isso, possa tomar decisões mais rápido em determinadas circunstâncias.

Ou seja, há certos momentos em que pode não valer a pena conceder um desconto para pagamento à vista, uma vez que o fluxo está positivo ou acima da média. Já em situações em que as rédeas estão curtas, abrir mão de um percentual do lucro em prol da garantia de recebimento pode ajudar você a evitar cair em juros bancários ou em multas por atraso de pagamentos.

 

Dica 6 – Suspenda o serviço

Como uma última dica, mais imponente mas que funciona apenas para empresas prestadoras de serviço. Você pode suspender a prestação do serviço a partir de um determinado momento, desde que isso seja devidamente comunicado para o cliente já na assinatura do contrato, na data seguinte ao vencimento e dias antes da interrupção do serviço.

Em muitos casos, há clientes que usam esse período como uma espécie de margem de segurança, para ganhar mais dias com o pagamento. O uso de softwares permitirá que você encontre quais são esses clientes recorrentes e isole-os em um grupo à parte. Para eles, você poderá, futuramente, oferecer outras condições de pagamento visando minimizar eventuais atrasos.

 


Venda seus produtos emitindo notas online

Deixo aqui uma dica muito importante para você que deseja usar um emissor que não tenha risco de perder informações, que seja mais fácil de usar e ainda tenha tudo onlinesem instalação. O emissor Gosocket permitirá importar os cadastros e informações do sistema do governo, além de muitas outras coisas legais.

Para testa-lo basta cadastrar-se gratuitamente e começar a usa-lo. Recebe ajuda online e tenha todas as suas informações disponíveis sem preocupação.

Cadastrar no Emissor Online
Simples Nacional 2018 –  Nova tabela e limites

Simples Nacional 2018 – Nova tabela e limites

O regime tributário Simples Nacional  2018 vai receber grandes mudanças em 2018, com a entrada de novas atividades, novos limites de faturamento e redutor da receita, além de alterações nas alíquotas. Para enquadrar a sua empresa no Simples Nacional, é preciso ter conhecimento dos novos tetos de faturamento, entender os percentuais de impostos e fazer os cálculos.

Detalhamos neste post os novos limites e algumas alíquotas para que você possa se organizar e ajudar seu Contador.

 

Limites do Simples Nacional 2018

O limite máximo de receita bruta anual para pequenas empresas optantes pelo regime de tributação Simples Nacional vai subir de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões. O valor equivale a uma média mensal de R$ 400 mil de receita. Microempresas poderão faturar até R$ 360 mil ao ano e as Empresas de Pequeno Porte, R$ 4,8 milhões ao ano.

Os Microempreendedores Individuais (MEI) terão também um novo teto que passará de R$ 60 mil para R$ 81 mil ao ano, passando de uma média de R$ 5 mil ao mês para R$ 6,75 mil.

 

Novas Alíquotas

A alíquota simples sobre a receita bruta mensal deixará de existir. Em 2018, a alíquota será maior, porém com um desconto fixo dependendo da faixa de enquadramento da empresa de acordo com seu faturamento.

Portanto, a alíquota dependerá do cálculo que leva em consideração o faturamento bruto acumulado nos últimos doze meses e um desconto fixo. Em outras palavras, redução de carga tributária para algumas empresas e aumento para outras, por isso a importância de estar atento às mudanças.

 

Novas Tabelas

As novas tabelas foram simplificadas e a quantidade de faixas de faturamento caiu de 20 para 6. Isso ajuda a sua empresa identificar em qual tabela está enquadrada. Abaixo deixamos alguns anexos criados pela Lei Complementar n.º 155, que alterou a Lei Complementar n.º 123.

Você poderá verificar a sua alíquota e realizar o cálculo da seguinte forma:  receita anual total durante o ano multiplicado pela alíquota indicada. Depois, é só descontar o valor apontado e dividir o valor final pela receita anual bruta total.

Impostos = (RendaBruta12meses * Alíquota) – DescontoFixoAplicável

Total =  Impostos/RendaBruta12meses

  • RendaBruta12meses : Receita Bruta Total acumulada nos doze meses anteriores
  • Alíquota: alíquota nominal constante (anexos I e V da Lei Complementar)
  • DescontoFixoAplicável: valor a descontar do total recolhido (anexos I e V da Lei Complementar)

 

Anexo I do Simples Nacional 2018

Participantes: empresas de comércio (lojas em geral)

Receita Bruta Total em 12 meses Alíquota Quanto descontar do valor recolhido
Até R$ 180.0000,00 4% 0
De 180.000,01 a 360.000,00 7,3% R$ 5.940,00
De 360.000,01 a 720.000,00 9,5% R$ 13.860,00
De 720.000,01 a 1.800.000,00 10,7% R$ 22.500,00
De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 14,3% R$ 87.300,00
De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 19% R$ 378.000,00

 

Anexo II do Simples Nacional 2018

Participantes: fábricas/indústrias e empresas industriais

Receita Bruta Total em 12 meses Alíquota Quanto descontar do valor recolhido
Até R$ 180.0000,00 4,5% 0
De 180.000,01 a 360.000,00 7,9% R$ 5.940,00
De 360.000,01 a 720.000,00 10% R$ 13.860,00
De 720.000,01 a 1.800.000,00 11,2% R$ 22.500,00
De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 14,7% R$ 85.000,00
De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 30% R$ 720.000,00

 

Anexo III do Simples Nacional 2018

Participantes: empresas que oferecem serviços de instalação, de reparos e de manutenção. Consideram-se neste anexo ainda agências de viagens, escritórios de contabilidade, academias, laboratórios, serviços advocatícios, empresas de medicina e odontologia

Receita Bruta Total em 12 meses Alíquota Quanto descontar do valor recolhido
Até R$ 180.0000,00 6% 0
De 180.000,01 a 360.000,00 11,2% R$ 9.360,00
De 360.000,01 a 720.000,00 13,5% R$ 17.640,00
De 720.000,01 a 1.800.000,00 16% R$ 35.640,00
De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 21% R$ 125.640,00
De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 33% R$ 648.000,00

 

 

Anexo IV do Simples Nacional 2018

Participantes: empresas que fornecem serviço de limpeza, vigilância, obras, construção de imóveis

Receita Bruta Total em 12 meses Alíquota Quanto descontar do valor recolhido
Até R$ 180.0000,00 4,5% 0
De 180.000,01 a 360.000,00 9% R$ 8.100,00
De 360.000,01 a 720.000,00 10,2% R$ 12.420,00
De 720.000,01 a 1.800.000,00 14% R$ 39.780,00
De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 22% R$ 183.780,00
De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 33% R$ 828.000,00

Anexo V do Simples Nacional 2018

Participantes: empresas que fornecem serviço de auditoria, jornalismo, tecnologia, publicidade, engenharia, entre outros

Receita Bruta Total em 12 meses Alíquota Quanto descontar do valor recolhido
Até R$ 180.0000,00 15,5% 0
De 180.000,01 a 360.000,00 18% R$ 4.500,00
De 360.000,01 a 720.000,00 19,5% R$ 9.900,00
De 720.000,01 a 1.800.000,00 20,5% R$ 17.100,00
De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 23% R$ 62.100,00
De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 30,50% R$ 540.000,00

 

Recomendamos que peça ajuda a seu contador para conferir a tabela e alíquota correta.

 

Prepare-se para economizar

Prepare-se para o ano de 2018 desde já. Pesquisa, pergunte e teste. A utilização das alíquotas corretas poderão lhe economizar muito dinheiro.

Caso queira começar agora mesmo, você poderá se cadastrar para utilizar um emissor de nota fiscal online e armazenamento de notas fiscais com menor custo no Brasil.